ensee

Eu tenho um portfólio com fotos que fiz há um tempo.

Por meia hora eu quase entrei numa crise existencial de que eu não pertencia a esse grupo de pessoas que pendura uma câmera no pescoço e sai por aí clicando. Por meia hora eu achei que eu era o primo com a câmera. 

Mas por que?

Um mês depois, eu acho que tenho a resposta. Desde o começo eu sempre amei (muito) o fotojornalismo, mas não aquelas notícias de guerra ou perseguições da polícia. Eu sempre amei a parte histórica das coisas e as pessoas da história. O movimento hippie dos anos 60 por exemplo. Gente alternativa, gente autêntica que não liga para a opinião da sociedade sobre o que veste, como se porta, independente da cor do cabelo, são só elas mesmas, e era disso que eu sentia falta ao fotografar. Fotografar, no geral, para mim, é sempre maravilhoso, mas eu sentia falta de estar fazendo história. Mostrar que essas pessoas existem, fora do padrão estético.

São essas mesmas pessoas, normalmente, que odeiam ser fotografadas e não quero forçar a barra, então eu só sento e aguardo... e às vezes crio coragem e mando uma mensagem no Instagram.

Mas já que estamos aqui...

Se houver alguma pessoa alternativa de Uberlândia e região por aqui me lendo (Araguari por enquanto pois o orçamento aqui é curto), quero recomeçar meu portfólio e adoraria te fotografar, se tiver interesse manda um e-mail para foto.ludimila@gmail.com e vamos conversando!

Deixe um comentário