Precisou de 4 meses e dois anti depressivos para que eu alcançasse a tão esperada e desejada demissão. É isso. Dia 4 de janeiro eu saí oficialmente do trabalho.

Meu último texto aqui é uma reclamação das pessoas na internet. Os últimos 5 meses foram de luta constante, burocracias chatas, o início do TCC e com tudo isso não escrevi... aqui. Escrevi no Medium, comecei mais um livro, mas esse eu não só comecei, ele será lançado esse ano, escrevi na agenda minhas metas para o ano novo. Foi só mais uma das milhares pausas, que dessa vez de pausa não teve nada.

Os girassóis vão sair do blog, mas continuarão em mim. Os textos serão múltiplos de 7. Eu assumo que tenho um canal no YouTube e quero usá-lo. Eu faço coisas demais. Eu fotografo, pinto, escrevo e gravo sobre tudo isso. E é sobre isso esse novo ano.

É sobre ter começado o ballet depois de 4 anos estudando a ideia, é sobre ter me conectado ainda mais com o jornalismo, é sobre se chamar de artista, é sobre crescer, é sobre fazer 25, é sobre virar freelancer, é sobre amor próprio, é sobre amar o trabalho que eu faço, é sobre querer transformar tudo isso em um trampo de verdade e pra valer pela primeira vez. Não é sobre só falar, é sobre fazer.

É sobre terminar a faculdade, assumir os erros como adulto, aceitar que não tenho o controle de tudo, mas que posso ter algum controle, é sobre se reencontrar com a criança interior e voltar a desenhar depois de 10 anos. É sobre não ter vergonha de abordar as pessoas na rua e fotografa-las, é sobre escrever sobre isso, é sobre contar as histórias.

É sobre lutar contra o governo porque ele me atinge diretamente sendo mulher, negra, B, artista e professora (quase). Mas não só por isso, é lutar ao lado de quem é diferente de mim e mesmo assim luta por mim. É lutar por quem ainda está de olhos vendados. É sobre descer o tapão no fascista.

É sobre me formar, nem acredito.

É sobre saúde mental e voltar à tê-la. Por quê eu usei a ranger amarela você vai ter que esperar até dia 10. É sobre pular carnaval pra espantar as coisas ruins.

4 Comentários